Arquivo

sábado, 11 de fevereiro de 2012

No fim do dia, o importante é não ir ao fundo..


Eu acho que sentir-me assim confusa não abona a teu favor e essa vontade que eu tinha de desaparecer para um mundo só nosso contigo começa a desvanecer lentamente porque tu fazes-me acreditar que não vale a pena. Eu queria já ter confiado nas tuas palavras, ter largado tudo e arriscar num futuro mais feliz mas sempre que tentei acreditar tu tornaste-te em algo que não queria ter ao meu lado. Eu não sei se fazes de propósito, se o teu feitio assim o proporciona ou se é mais impressão minha, mas entristece-me não poder avançar com algo de que me tinha mentalizado que iria acontecer mais tarde ou mais cedo. Parece que afinal a minha cautela sempre foi a necessária e baixar as armas foi só mais um erro de percurso. Eu sei que isto são tudo palavras ditas de cabeça quente e língua afiada, mas às vezes é preciso soltá-las. Quero respirar novos ares, e uma nova oportunidade assemelha-se a bonança depois da tempestade que tu causas todos os dias. Não me queria alongar em pensamentos mais esperados mas quero ter a certeza de que não me prendo a algo que me leve ao fundo.