Arquivo

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Amar é um privilégio..

A verdade é que nunca acreditei muito em nós. Tínhamos muitos defeitos e punha-nos sempre em causa. Não é que não gostasse de ti, porque sou absolutamente honesta quando te digo que gostava. Só que nunca cheguei a abrir o meu coração para ti. Fui adiando, até que tu não reparasses que eu não estava, na verdade, totalmente entregue. Eu sempre precisei de algum tempo para estas mudanças e ainda não tinha assimilado bem o que nos aconteceu. E nestas alturas, eu mantenho apenas os pés na terra e não deixo a fantasia subir-me à cabeça. Mas agora começo a sentir. Aquelas saudades estranhas quando tu não estás por perto faz pouco tempo. Aquela vontade de a contemplar os teus olhos, de me sentar e olhar simplesmente para ti. Isso cresce comigo agora, connosco. Com o tempo, com paciência e com amor. Cresce todos os dias um bocadinho, e todos os dias eu te quero um bocadinho mais. Eu não espero ficar contigo até ao fim dos meus dias, eu sei que, apesar disso ser possível, é completamente improvável. Mas quero passar cada momento que se proporcionar a teu lado. Quero ultrapassar contigo o que nos quiser travar. Quero mostrar-te que o amor não são só alguns beijos, sexo e prendas materialistas. Não que eu saiba grande coisa acerca do amor. Mas quero mostrar-te o meu amor. Quero mostrar-te como podemos prová-lo. Sem clichés. Nas mais pequenas coisas do dia-a-dia. Quero aprender contigo. Melhorar contigo. Quero rir até a minha barriga doer contigo. Quero sentir até que o meu coração conheça o valor de um verdadeiro amor. Um amor que quererei lembrar por muito tempo, em muitos aspectos. E quero poder dizer um dia, um dia que os nossos corações sintam necessidade de voar parar outro lugar, não que o nosso amor acabou mas sim que demos oportunidade a nós mesmos de conhecer outros amores, de outros cheiros, cores e sentidos. Eu acho que isto é o amor. Não é aquela história contada do "para sempre", "eternamente" ou "até que a morte nos separe". O amor não deve ser um corte nas nossas asas. Não deve fechar as portas da nossa vida, mas sim encostá-las e aproveitá-lo até que o vento decida abri-las um outro dia e nós possamos crescer e voar mais um bocadinho. E, se na verdade eu fugi destas palavras um dia, eu escrevo-as hoje com toda a segurança e a perfeita noção de que celebrar o amor que recebo de todas as direcções é a melhor maneira de agradecer. Escrevo-as para encostar algumas portas por agora, já que tenho a certeza que o meu presente é aprender a amar ainda mais contigo.