Arquivo

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Arrisquemos, então. Vou aproveitar cada segundo como se fosse o último. Não quero pensar em quanto tempo vai permanecer desta forma. Não quero ouvir segundas ou terceiras opiniões. Sinceramente, não estava nem à espera que acontecesse, nem à espera que eu mesma o tolerasse. Julguei-me bastante mais afastada de ti do que na verdade estou. E a verdade é que até estou a gostar desta proximidade certa, desta cumplicidade que se cria tão facilmente e raramente se esquece. Não sei o que quero, mas quero estar bem e se isso significar estar ao teu lado, não vou opor-me de forma alguma.Os boatos correm depressa e eu sei como é que as coisas funcionam na boca do mundo. Não quero nem saber. Não quero nem ouvir. O presente é o momento real da acção que nos move, nos arrepia, nos faz sentir cada pequeno pormenor. É o momento em que devemos e podemos ser felizes da forma que quisermos