Arquivo

sexta-feira, 1 de março de 2013


Às vezes é preciso esquecer quem fomos e assumir outra postura. Crescer um bocadinho e apercebrmos-nos que nem todos aqueles que se encontram ao nosso lado são de confiança. É triste, mas é o Mundo em que vivemos. Não podemos confiar em qualquer pessoa e nos dias que correm há cada vez menos pessoas com os valores correctos. A ganância e o desejo de poder, de dinheiro, de posse apoderou-se da maior parte da sociedade. Atacamos inocentes para atingir um fim, sem qualquer tipo de arrependimentos, porque "o mundo do trabalho é assim" ou qualquer outra razão estapafúrdia. É triste ganhar consciência de que vivemos, entre humanos, numa sociedade tão pouco humanizada e que cada um de nós tem tão pouca consciência do que é viver. Querem ter tudo, comprar tudo, ser os primeiros, os melhores. Preocupam-se apenas com o que aparentam ser, mesmo que a realidade seja bem diferente. O que interessa é a imagem, a ideia que passam. O estereotipo. A classe, género ou tipo - como lhe quiserem chamar - a que pertencem. São um bando de carneiros atrás do rebanho, sem pensamento próprio nem ideias, sem ambições a não ser aquelas que lhes incutiram, aquelas das quais ouviram falar desde pequenos, aquelas que toda a gente devia ter "porque é assim". Estou cansada dos olhares, dos comentários, do preconceito contra tudo aquilo que não é comum ou estipulado. Quem são vocês para julgar seja quem for? Para criticar a aparência de alguém, a sua escolha profissional ou simplesmente o seu modo de vida? Quem somos nós para apontar o dedo? A esta altura já devia existir uma certa abertura a isto. Uma certa mentalidade. Há que evoluir! Há que melhorar, que ir transformando, adaptando, melhorando. E, por vezes claro, há que cortar o que precisa de sair fora. Aquilo que está a atrapalhar, aquilo que já não nos traz nada de bom. Não é incorrecto fazer escolhas.. A vida é um conjunto de escolhas, das escolhas que cada um de nós faz ao longo do tempo. E como donos da nossa vida, devemos preocupar-nos em cuidar dela, e dela apenas. Tirar dela quem não merece lugar e recompensar todos aqueles que a embelezam. Porque viver só vale a pena se vivermos bem e a vida é curta demais para a empatarmos. Há que pensar nisso, amigos. Há que relembrar que o tempo não volta atrás, e o tempo que perdes agora, está perdido para sempre.