Arquivo

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Mais amor, por favor. Mais calma na alma e um rasgo de sensibilidade acrescida. É preciso ter mais apreciação pelas pequenas coisas que nos são, cada vez mais raramente, oferecidas. Estamos rodeados de pequenos prazeres, pequenos pormenores que mudam tudo no nosso dia-a-dia. Talvez um sorriso, um abraço, um carinho. Uma palavra de apoio que pode confortar tanto as mentes em desconsolo. Nós nunca sabemos o que vai na cabeça da outra pessoa, no coração dela.. Por isso, porque não melhorar o seu dia e talvez fazer a diferença? Com o passar do tempo cada vez há menos razões para continuar a acreditar num Mundo melhor, numa sociedade melhor e talvez numa comunidade utópica. Quer dizer, não me intrepertem mal. O que quero dizer é que, mesmo não atingindo altos padrões, a comunidade em si deveria ter como primazia o dever de se esforçar para tal, a consciência de que com entreajuda, compreensão e assertividade tudo se pode fazer. Deviamos acordar todos os dias motivados para ter um papel positivo na mudança da mentalidade das pessoas, um papel de carácter activo, incansável e interessado. Mas, vamos ser sinceros, como é que é possível ter uma atitude assim nas condições a que, cada vez mais, assistimos todos os dias? A miséria é uma realidade mais perto do que imaginam, e como é que a nossa cabeça dorme descansada na almofada com esta certeza? Aliás, com a incerteza do amanhã, que tanto se pode apresentar como um dia normal, mas também pode ditar a viragem da nossa vida.